A atuação da cafeína como inibidora de corrosão do Zinco metálico em meio etanólico

#publicaciencia

Dissertação de Fabiana Nogueira Grosser

RESUMO: O presente trabalho apresenta um estudo do comportamento eletroquímico do eletrodo de zinco em meio etanólico; contendo diferentes eletrólitos suportes; na ausência e presença de cafeína. Esta substância foi escolhida por se tratar de um composto orgânico; derivado da biomassa; ambientalmente não tóxico e economicamente viável. A atuação da cafeína como inibidora dos processos corrosivos do zinco foi avaliada através de diversas técnicas eletroquímicas como a potenciometria; ensaios potenciodinâmicos; curvas de polarização; cronoamperometria e espectroscopia de impedância eletroquímica. Estudou-se; também; o efeito inibidor do composto sobre a superfície do metal em soluções com condições de agressividade maiores; ou seja; com adição de água; ácido acético e na presença de íons cloreto. Para este último meio; a microscopia eletrônica de varredura (MEV) foi utilizada como ferramenta auxiliar para avaliar a estrutura superficial com e sem cafeína. Os resultados revelaram que a cafeína promoveu um atraso no processo de corrosão; comprovando que a mesma também atua no combate à corrosão por pites. A cafeína apresentou-se como um inibidor anódico; dependente do potencial inicial e do tempo de adsorção Essa dependência indica uma etapa de adsorção no processo de interação envolvendo a cafeína e o eletrodo de zinco; que foi confirmada quantitativamente através da isoterma de Langmuir. O valor de energia livre de adsorção calculado sugere uma adsorção química e espontânea. As diferentes técnicas empregadas mostraram um resultado bastante positivo quanto ao desempenho da cafeína como inibidora da corrosão para o zinco em etanol; mesmo quando na presença de um meio agressivo; com a adição de contaminantes.

Hits: 51

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *