Ação do óxido nítrico sobre o estresse de alumínio na germinação de arroz (Oryza sativa L.): alterações fisiológicas e bioquímicas

#publicaciencia

Dissertação de Tatiana Kazue Silva

RESUMO: O alumínio é um metal pesado que causa problemas em 30-40% das terras cultiváveis do planeta, mais comumente nos trópicos, onde os solos são ácidos, e possui efeito tóxico direto sobre o metabolismo vegetal. Estudos recentes demonstram a
atividade citoprotetora do radical livre óxido nítrico (NO) em plantas. O óxido nítrico (NO) participa em vários processos fisiológicos nas plantas, além de neutralizar a toxicidade de espécies reativas do metabolismo do oxigênio (ERMO) geradas em diversas situações de estresses abióticos, dentre os quais, elevadas concentrações de alumínio nos solos. Diante do exposto, os objetivos deste trabalho foram: I – Verificar a ação citoprotetora do NO em condições de estresse de alumínio durante a germinação de sementes de arroz (Oryza sativa L.) cultivar Talento, onde foram utilizadas para os tratamentos soluções de diferentes concentrações de nitroprussiato de sódio (SNP),
como doadora de NO e para a simulação de estresse de alumínio foram utilizadas soluções de diferentes concentrações de sulfato de alumínio. O experimento foi conduzido em duas etapas. Para os tratamentos da primeira etapa do experimento foi
utilizado solução de SNP nas concentrações 50, 100, 250, 500, 1000 e 1500 mmol.L-1 e soluções de sulfato de alumínio nas concentrações 10, 20, 30, 40, e 50 mmol.L-1 . Para o controle foi utilizado água destilada. Na segunda etapa do experimento foram utilizadas
soluções de SNP 50 mmol.L-1 e de sulfato de alumínio 30 mmol.L-1 . As sementes foram submetidas a uma incubação por 18 h em água destilada (Grupo I) ou em solução de SNP (Grupo II) e em seguida foram transferidas para água destilada, solução de SNP ou
solução de sulfato de alumínio. Foram realizadas avaliações de germinação diariamente,  IV por 4 dias. Pode ser concluído que o NO causa estímulo da germinação de arroz nas fases iniciais deste processo, sendo mais evidente no período de 48 h de embebição. O maior incremento da germinação foi observado na concentração de 50 µmol.L-1 de SNP, ao passo que as concentrações de SNP acima de 500 µmol.L-1 causaram redução da germinação. Também foi possível detectar que o NO foi capaz de reduzir a inibição da
germinação como efeito do estresse de alumínio. II – Avaliar o efeito do NO sobre a atividade de enzimas antioxidantes durante a germinação de sementes de soja (Glycine max L.) cultivar Perdiz, sob condições de estresse de alumínio. Para atingir este objetivo
foram realizados dois experimentos, um para as avaliações de germinação e outro para a determinação da atividade das enzimas antioxidantes, peroxidase (POD) e superóxido dismutase (SOD). Para os tratamentos foram utilizadas soluções de nitroprussiato de
sódio (SNP) 250 mmol.L-1 como doadora de NO e solução de sulfato de alumínio 30 mmol.L-1 para simulação de estresse de alumínio. As sementes foram incubadas por 18 h em água destilada (Grupo I) ou em solução de SNP (Grupo II). Em seguida as sementes de cada grupo foram transferidas para novos rolos de papel “germitest” umedecidos com água destilada, solução de SNP ou solução de sulfato de alumínio. As avaliações da germinação foram realizadas diariamente, por 4 dias. As determinações das atividades da POD e SOD foram realizadas no eixo embrionário das sementes nos períodos de 12 e 36 h após a transferência para os tratamentos. Foi verificado que o NO
foi capaz de reduzir a inibição da germinação de soja, como efeito do estresse de alumínio. A ação do NO pode ser, em parte, atribuído à sua capacidade de remoção de ERMO, principalmente na forma de H2O2, diminuindo o efeito negativo do alumínio sobre a germinação.

Hits: 262

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *